Se há uma data na qual está liberado o uso de muito brilho é o dia do casamento. Na condição de uma das personagens protagonistas da ocasião, a mulher tem passe livre para reluzir em seu traje o quanto quiser. Ela dispõe de muitos artifícios para incorporar o efeito ao vestido de noiva. Escolher modelos com lantejoulas, strass e tecidos metálicos são alguns deles. O resultado conquistado fica lindo em qualquer estilo de roupa, podendo aparecer mesmo nos vestidos de noiva simples e minimalistas. Afinal, o look cintilante nunca sai de moda, sendo este o motivo para falarmos dele neste artigo.

Numa pegada vintage, a cascata de franjas bem anos 1920, quando acrescida de brilho, fica ainda mais encantadora. Já na construção de um visual suave e feminino, as camadas de chiffon bordadas com pérolas geram bons frutos. Contas esparsas aplicadas aos tecidos em geral e enfeites reflexivos são outros truques com os quais se pode brincar. Isso sem falar nos adornos e acessórios, já que iremos ater nossa atenção nos vestidos de noiva.

Naturalmente glamouroso

É mais do que esperado que imaginemos trajes esplendorosos em cortes princesa ou em A quando falamos de brilho. No inconsciente coletivo, é uma característica atrelada à riqueza e à nobreza. Também pudera. Ao longo dos séculos, ele foi usado como sinônimo de status social, de poder e requinte exclusivo. Além disso, o estilo clássico de noiva prevê uma grande saia com cauda que sempre faz uso de detalhes cintilantes. Não se limitar a essa visão é crucial para entender as possibilidades disponíveis hoje em dia. 

Além do branco 

O brilho não precisa ser da cor do vestido. As lantejoulas multicoloridas são provas disso. Detalhes em prata e dourado conseguem dar às mais simples vestes um ar inteiramente novo. Os vestidos de noiva que fogem ao all white, em cores próximas ao branco, acabam tendo a tonalidade diferente e original mais evidenciada. Dependendo do quão reluzente sejam os detalhes bordados na roupa, consegue-se um efeito angelical e lúdico a partir deles.    

Predileção pelo corpete

Grande parte dos designs nupciais guardam os detalhes cintilantes mais para a região do corpete. Não é por acaso. Isto ocorre para capturar a atenção para a área central do corpo, em contrapartida ao volume da saia e da cauda. A compensação proporciona maior equilíbrio à silhueta. Um aparato que também serve para ressaltar os contornos femininos. Dependendo do desenho formado a partir dos enfeites, consegue-se obter a ilusão de alongamento ou de busto e quadril mais volumosos. As aplicações são muitas nos vestidos de noiva.     

Tecidos brilhantes 

Há uma série de tecidos cujo brilho mais tímido ou intenso farão a noiva se destacar ao altar para além dos protocolos. Mas aqui chamaremos a atenção para a múltipla funcionalidade de um em especial: o tule cintilante. Fino e transparente, ele impõe uma aura iluminada e sonhadora à mulher que o veste. Pode ser empregado na saia, nas mangas, no colo, nas costas, no véu e onde mais a criatividade do estilista permitir. Leve, é de fácil manuseio e não pinica no contato com a pele, conseguindo chegar a resultados incríveis. Quando disposto em camadas ou drapeado, forma um volume bonito sem igual.

Por isso, ainda que o sonho de consumo da mulher seja um vestido de noiva sóbrio, não vale a pena descartar de cara a ideia do brilho. Dentro do universo da moda nupcial, ele é mais uma ferramenta disponível na missão de dar personalidade à roupa, que nem por isso ficará exagerada. Tudo é uma questão de equilíbrio, que envolve se sentir representada e bonita no traje escolhido. No final das contas, a dica de jamais apagar sua luz interna para agradar aos outros também se aplica quando falamos no vestido de noiva dos seus sonhos.