Dande Porto Fotografia
Dande Porto Fotografia

Na fase da organização da cerimônia perceberão o quanto as emoções estão afloradas, e nada melhor que esta fase para ressaltar os sentimentos de todas as formas. Provavelmente, definir o texto dos convites de casamento não será tão complicado quanto colocar no papel o que realmente desejam transmitir ao companheiro (a). Nem sempre é fácil escrevê-los, por isso buscar inspiração nos poemas de um dos maiores autores nacionais poderá ser de grande ajuda, mesmo incluindo apenas uma frase curta de amor, escrita por esse mago das palavras.

Os votos de comprometimento feitos no altar envolvem muitas emoções e será mais comovente com uma música de casamento que fortaleça a passagem, que pode até ser instrumental. Se há uma oportunidade para abrir o coração e expor em público os motivos que os trouxeram até o altar, os votos trazem essa chance tão única. Vejam como as poesias de Carlos Drummond podem ajudá-los a expressar esses sentimentos.

Fer e André Fotografia
Fer e André Fotografia

Como escrever os votos?

No momento de colocar no papel o que sentem um pelo outro, perceberão que não é tão fácil quanto parece. O ideal é procurar um local tranquilo, se possível até com uma música romântica do casamento ao fundo como inspiração para lembrarem os bons momentos que tiveram, e ressaltar porque estão tão apaixonados. Busquem seu estilo de ser e de se expressar para que a leitura dos votos fique natural. Façam em separado e não mostrem para o outro, a fim de não estragar a surpresa.

Fotógrafo Guilherme Antunes
Fotógrafo Guilherme Antunes

Poemas que instigam o amor

Há casais que mesmo adotando a decoração de casamento simples, priorizam elementos românticos, a partir de uma playlist com músicas instrumentais de casamento que ressalte o amor, todos os detalhes serão voltados ao sentimentalismo puro. Portanto, seus votos serão mais doces, sem receio de destacar a sua afeição  e expor em público o quanto valorizam exaltar o amor em todas suas formas.

Dande Porto Fotografia
Dande Porto Fotografia

As sem-razões do amor

Eu te amo porque te amo.
Não precisas ser amante,
E nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça

E com amor não se paga.

Amor é dado de graça
É semeado no vento,
Na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
E a regulamentos vários.

Eu te amo porque não amo
Bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
Não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
Feliz e forte em si mesmo.

Amor é primo da morte,
E da morte vencedor,
Por mais que o matem (e matam)
A cada instante de amor.

Ao Amor Antigo

O amor antigo vive de si mesmo, 
não de cultivo alheio ou de presença. 
Nada exige nem pede. Nada espera, 
mas do destino vão nega a sentença. 

O amor antigo tem raízes fundas, 
feitas de sofrimento e de beleza. 
Por aquelas mergulha no infinito, 
e por estas suplanta a natureza. 

Se em toda a parte o tempo desmorona 
aquilo que foi grande e deslumbrante, 
o antigo amor, porém, nunca fenece 
e a cada dia surge mais amante. 

Mais ardente, mas pobre de esperança. 
Mais triste? Não. Ele venceu a dor, 
e resplandece no seu canto obscuro, 
tanto mais velho quanto mais amor. 

Para Viver um Grande Amor

É preciso abrir todas as portas que fecham o coração.
Quebrar barreiras construídas ao longo do tempo,
Por amores do passado que foram em vão
É preciso muita renúncia em ser e mudança no pensar.
É preciso não esquecer que ninguém vem perfeito para nós!
É preciso ver o outro com os olhos da alma e se deixar cativar!
É preciso renunciar ao que não agrada ao seu amor...
Para que se moldem um ao outro como se molda uma escultura,
Aparando as arestas que podem machucar.
É como lapidar um diamante bruto... para fazê-lo brilhar!
E quando decidir que chegou a sua hora de amar,
Lembre-se que é preciso haver identificação de almas!
De gostos, de gestos, de pele...
No modo de sentir e de pensar!
É preciso ver a luz iluminar a aura,
Dando uma chance para que o amor te encontre
Na suavidade morna de uma noite calma...
É preciso se entregar de corpo e alma!
É preciso ter dentro do coração um sonho
Que se acalenta no desejo de: amar e ser amada!
É preciso conhecer no outro o ser tão procurado!
É preciso conquistar e se deixar seduzir...
Entrar no jogo da sedução e deixar fluir!
Amar com emoção para se saber sentir
A sensação do momento em que o amor te devora!
E quando você estiver vivendo no clímax dessa paixão,
Que sinta que essa foi a melhor de suas escolhas!
Que foi seu grande desafio... e o passo mais acertado
De todos os caminhos de sua vida trilhados!
Mas se assim não for...
Que nunca te arrependas pelo amor dado!
Faz parte da vida arriscar-se por um sonho...
Porque se não fosse assim, nunca teríamos sonhado!
Mas, antes de tudo, que você saiba que tem aliado.
Ele se chama TEMPO... seu melhor amigo.
Só ele pode dar todas as certezas do amanhã...
A certeza que... realmente você amou.
A certeza que... realmente você foi amada.

Amar se aprende amando

O ser busca o outro ser, e ao conhecê-lo 
acha a razão de ser, já dividido. 
São dois em um: amor, sublime selo 
que à vida imprime cor, graça e sentido. 

"Amor" - eu disse - e floriu uma rosa 
embalsamando a tarde melodiosa 
no canto mais oculto do jardim, 
mas seu perfume não chegou a mim.

Amar

Que pode uma criatura senão,
Entre criaturas, amar?
Amar e esquecer, amar e malamar,
Amar, desamar, amar?
Sempre, e até de olhos vidrados, amar?
Que pode, pergunto, o ser amoroso,
Sozinho, em rotação universal, senão

Rodar também, e amar?
Amar o que o mar traz à praia,
O que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
É sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?
Amar solenemente as palmas do deserto,
O que é entrega ou adoração expectante,
E amar o inóspito, o áspero,
Um vaso sem flor, um chão de ferro,
E o peito inerte, e a rua vista em sonho,
E uma ave de rapina.
Este o nosso destino: Amor sem conta,
Distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas,
Doação ilimitada a uma completa ingratidão,
E na concha vazia do amor à procura medrosa,
Paciente, de mais e mais amor.
Amar a nossa falta mesma de amor,
E na secura nossa, amar a água implícita,
E o beijo tácito, e a sede infinita.

Poemas em sentido figurado

Embora alegres e muito apaixonados, há casais que preferem não expor demasiadamente a sua intimidade e, provavelmente, seus votos serão mais curtos e reservados. Se esse é o caso de vocês, há formas de dizer a mesma coisa de formas diferentes. Como destacando uma pequena frase, que seja simbólica aos dois e, somente o casal saberá a que estão se referindo. Para isso poderão escolher poemas que deixem no ar seu propósito sem estar claramente exposto, e Drummond é mestre no sentido figurado.

Nosso Celeiro
Nosso Celeiro

Amor e seu tempo

Amor é privilégio de maduros
Estendidos na mais estreita cama,
Que se torna a mais larga e mais relvosa,

Roçando, em cada poro, o céu do corpo.

É isto, amor: o ganho não previsto,
O prêmio subterrâneo e coruscante,
Leitura de relâmpago cifrado,
Que, decifrado, nada mais existe

Valendo a pena e o preço do terrestre,
Salvo o minuto de ouro no relógio
Minúsculo, vibrando no crepúsculo.

Amor é o que se aprende no limite,
Depois de se arquivar toda a ciência
Herdada, ouvida. amor começa tarde.

Memória

Amar o perdido
deixa confundido
este coração.

Nada pode o olvido
contra o sem sentido
apelo do Não.

As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis
à palma da mão

Mas as coisas findas
muito mais que lindas,
essas ficarão.

Photonline
Photonline

Fazer uma viagem nos contos e poesias de Carlos Drummond de Andrade trará uma “luz” para incluir suas frases divinas em vários detalhes da cerimônia: nas plaquinhas, nos cartões de agradecimento ou nos convites de casamento. Certamente, nessa fase tão emocionante, ressaltar o quanto estão felizes é sadio e muito bem-vindo, e só vocês saberão o quanto batalharam até chegar o momento de cortar o bolo decorado de casamento. Inspirem-se com o poeta e aproveitem cada instante dessa celebração do amor.