Às vezes a simplicidade é o que a marca o início dos grandes romances da literatura. E às vezes, com simplicidade, a vida realmente imita a arte. Amanda e Carlos se conheceram oficialmente em uma cachoeira, num passeio com um grupo de amigos em comum. "Mas, não", explicam, "trocamos só duas palavras nesse dia". Amantes das letras, a história dos dois foi sendo escrita "por essas vias tortas da vida", segundo os próprios. Tempos depois dessa primeira apresentação, eles passaram a fazer parte do mesmo grupo que dirigia um cineclube e, ao longo de um tempo, foram se conhecendo. "E quando nos conhecemos, nos apaixonamos". Simples assim.  

Os dias 16 de dezembro

A partir desse momento, quando ambos entenderam o sentimento que os unia, o namoro começou, mas houve um pedido oficial ao final de um filme. E, como a memória dos apaixonados funciona como um relógio, eles recordam bem: foi em um 16 de dezembro. E a data seguiu sendo importante no roteiro dos dois: em um novo 16 de dezembro o pedido de casamento aconteceu, mas tudo já estava subentendido. A pergunta foi feita em um lugar com o qual já tinham intimidade. "Foi o mesmo que presenciou tantas outras declarações nossas durante os anos, e o pedido foi escrito em uma página de um livro, um livro nosso que guarda nossa história de uma forma que só nós dois sabemos ler".  

Para a cerimônia, Amanda e Carlos buscavam um local que unisse beleza e comodidade, que fosse agradável e acolhedor para os convidados, "e principalmente que viabilizasse a cerimônia ao ar livre durante o pôr do sol", acrescentam. O mais importante era a escolha do horário da celebração. "Queríamos essa luz nas nossas lembranças e fotografias, e o processo foi simples: fizemos uma lista com nossos desejos e procuramos um local que se enquadrasse", contam, e terminaram encontrando o espaço perfeito, cercado por verde, com uma atmosfera convidativa e aconchegante.

Livros por todas as partes

A decoração, como não poderia deixar de ser, teve um tema especial para o casal, a paixão que compartilham: livros! Cada canto da festa tinha a essência dos noivos e os exemplares que fizeram e fazem parte de suas vidas estavam por todas as partes. "O casamento é uma união de vidas. No nosso caso, foi uma união de vidas e de bibliotecas!", divertem-se. E fizeram questão de participar de todas as etapas da organização. "Tínhamos em mente a ideia de fazer o máximo possível dos elementos da cerimônia, pela simbologia de colocarmos o máximo de nós dentro dela", e assim o fizeram.

Com um ar rústico, o lugar foi decorado com originalidade e todas as ideias foram decididas em conjunto: livros como marcadores de mesa e espalhados por todo o local, uma  árvore de citações escolhidas a dedo, vindas de livros, filmes e músicas, os guesbooks produzidos com um dicionário e uma máquina de escrever, porque não conseguiram escolher apenas uma opção... Tudo foi pensado com carinho, e tiveram a ajuda dedicada de pessoas queridas, que os ajudaram a compor desde os enfeites dos móveis à mesa de doces, cada item com um detalhe sobre a relação dos dois. E, para tornar o dia mais generoso, ainda ofereceram aos convidados uma prateleira inteira de livros que tinham repetidos, compartilhando com eles aquilo que mais apreciam: a leitura.

"Sim" com leveza

Amanda entrou pelo corredor de folhagens secas no chão com um vestido feito por ela mesma, um modelo reto e fluido, com decote coração nas costas e delicados detalhes bordados em todo o corpete. Disse "sim" com seus cachos naturais e uma presilha lateral, segurando o buquê de paleta sóbria, em tons de rosa e lilás. Realizada ao ar livre, como queriam, a cerimônia foi decorada com um varal de luzes, que dividia espaço com as flores do lugar, e atrás do altar, pendurados em tubinhos transparentes, também haviam raminhos florais. Carlos seguiu o estilo da noiva, e arrematou seu look nupcial com um colete e gravata borboleta. 

Amor em cada gesto

Escolher apenas um momento que os tenha marcado durante um dia que foi inteiramente especial é tarefa ingrata. Os sorrisos registrados com delicadeza pelo fotógrafo Anderson Silva, à frente do estúdio Foto Art, deixam claro a cumplicidade dos dois, em imagens impecáveis e sensíveis. "Toda a cerimônia foi feita desses momentos. Colocamos o máximo de nós para a cerimônia e recebemos infinitamente mais de nossos convidados", recordam-se.

Os convidados presentes foram pessoas realmente próximas ao casal e cada um deles demonstrou aos dois o quanto são amados. "Cada um mostrou uma forma de amor única para conosco. A cerimônia não foi marcada por um momento apenas do casal, pois não foi um casamento só de nós dois, todos os presentes é que nos casaram", dizem. Desde Casamentos.com.br desejamos que as páginas desse livro escrito a duas mãos sejam preenchidas com mais e mais amor. Que sejam muito felizes.