As histórias de amor não saem de moda e, ainda que os contos de fadas possam ganhar nuances diferentes, o bom e velho romance sempre será acompanhado de suspiros. A fada madrinha, por exemplo, hoje tem outros nomes, pode ser uma coincidência, pode ser um amigo, e ultimamente ela é carinhosamente chamada de “redes sociais”! Foi justamente por meio de um aplicativo que Lorena Baroni Bósio, Lori, conheceu Lucas, aquele para quem viria a dizer “sim, eu aceito”. Conheceram-se assim, depois de um coraçãozinho presenteado ao outro, o tal match e, três meses mais tarde, após saírem algumas vezes, o namoro se tornaria oficial.

O pedido

No início de 2016 marcaram uma viagem à cidade que não dorme e onde tudo pode acontecer e, de fato, aconteceu! Nova York já era uma das favoritas de Lori, mas Lucas ainda não havia ido e, para o segundo dia, reservaram uma visita ao Top of the Rock. Quem já teve o privilégio de estar ali em cima, diante daquela grandiosidade que parece não ter fim, sabe o quanto essa visão pode impressionar. “É um observatório logo acima do Rockefeller Center, no 70º andar. Foi lá que entendi a verdadeira definição de vista de tirar o fôlego", lembra ela. Mas nesse dia a vista da Big Apple não foi a protagonista.

Os dois tinham o deck à sua disposição quase com exclusividade, já que, diferentemente de outros pontos turísticos, este não costuma ficar cheio. “Ele me chamou num cantinho, onde estava um desses binóculos de chão. Coloquei uma moeda para ver de perto a Estátua da Liberdade e, enquanto olhava pelas lentes, ele me disse que dali pra frente não queria mais fazer projetos sozinho mas, sim, compartilhá-los comigo”, recorda-se. “A adrenalina do momento foi tanta que não lembramos exatamente das palavras”, completa. E nem seria preciso.

Tiffany who?

Lucas tirou do bolso um anel e conseguiu tornar um dos momentos mais inesquecíveis na vida de um casal ainda mais repleto de simbologia. Não se tratava de um anel qualquer. A verdade é que o noivo tinha escondido a joia durante todo o tempo e contou à então noiva que, durante meses, havia estudado vários tipos solitários (anéis). Sendo designer de produtos, também havia desenhado o projeto com curvas ergonômicas e produzido a joia com um amigo, que é ourives. "Desculpe, mas quem é Tiffany na fila do pão? Meu anel é só meu, ninguém mais tem!", diverte-se. "E é inestimável não só pelos quilates, mas porque sempre vai guardar essa história, como símbolo desse momento que foi, sem dúvida, um dos mais felizes da minha vida".

O vestido

Uma das etapas mais trabalhosas para uma noiva é, com certeza, achar o vestido que tenha a sua essência. Depois de buscar modelos de grandes casas, como Galia Lahav, e não encontrar aquele que realmente a representasse, Lorena passou a investir em algo customizado, que seria o ideal. Foi em um evento de lançamento do atelier Carol Hungria que trocou contatos com sua equipe e, em um posterior encontro, a estilista desenhou um croqui para ela, seguindo referências que a própria Lorena já tinha. "Foi quando realmente me enxerguei como uma noiva", conta, sobre o momento em que viu o esboço.

Com uma silhueta princesa combinada a um fundo nude, o vestido uniu romantismo e um ar contemporâneo. As transparências com rendas de padrões orgânicos e o tule harmonizaram perfeitamente com o decote transpassado na frente. Nas costas, um  decote profundo foi complementado por um laço, que deu ainda mais vida ao modelo.

Com a nossa cara

O casal ainda não conhecia o Jardim Leopoldina mas, segundo a noiva, depois de muito pesquisarem e visitarem o local, decidiram que seria o lugar ideal para a festa. “É um espaço neutro e versátil, onde podíamos criar o que tivesse realmente a nossa cara”, explica. E assim foi, uma celebração personalizada do início ao fim. Trabalhando com editoriais de decoração, a afinidade de Lorena com o tema tornou todo o processo mais fácil e bem pessoal. "Fiz um roteiro com referências para absolutamente tudo, desde o altar até os centros de mesa!", diz. E o resultado pode ser visto através das imagens dos fotógrafos Frankie & Marília. Em um espaço com atmofesta industrial, Lorena conseguiu mesclar tendências, fazendo um belo moisaco de elementos modernos e românticos, com uma paleta de cores sóbrias. 

Suporte especial

Todo o casamento foi pensado e planejado com os mínimos detalhes pela noiva, mas ela contou com ajudas especiais e muito apoio. As amigas de longas datas estiveram presentes durante todo o processo de organização. Elas passaram o Dia da Noiva junto com a protagonista, que revela ver algo especial em cada uma de suas fiéis escudeiras, ao seu lado até mesmo na hora dos últimos arremates do vestido. Lucas, antes mesmo da entrada de sua noiva, já estava emocionado. Depois de um momento de mãe e filho, que Lorena descreve como um dos mais emocionantes e importantes para os dois, as lágrimas não puderam ser contidas, e a atmosfera de carinho acompanhou todo o enlace.

Um "sim" e um rubi 

Em uma celebração repleta de elementos simbólicos, os noivos também fizeram homenagens a seus entes e amigos mais queridos, como foi o caso dos avós maternos da noiva. "Eles são o nosso casal-referência. Nos casamos na mesma data que eles que, no dia, comemoravam 45 anos juntos. Fizemos um brinde especial a nós e a eles, com todos os convidados. Nessa hora, meu avô presenteou minha vó com um anel de rubi, a pedra que simboliza as bodas de 45 anos, e esse foi um momento de muito amor para toda a família".

A primeira dança como marido e mulher foi ao som de "Thinking out loud", de Ed Sheeran. A canção está no CD que foi o primeiro presente que Lucas deu a Lorena, e foi a responsável por um dos momentos mais comoventes para os dois. Os sorrisos e a emoção dos noivos transborda no registro fotográfico, e ambos são firmes na descrição de seu dia C: "o dia em que mais sentimos o real signficado da palavra felicidade". E, desde Casamentos.com.br, desejamos toda a felicidade ao casal!