Marcos Marin Produções
 


Depois da cerimônia, festa e lua de mel, acaba a euforia e começa a vida a dois. Vivendo sob o mesmo teto, você e o parceiro se descobrirão mais a cada dia, enfrentando as dificuldades e alegrias do cotidiano. Morar junto antes de casar, apesar de ainda ser considerado tabu para muitas mulheres, pode ser uma ótima experiência.

Já ouvimos histórias por aí de casais que passaram anos de suas vidas namorando, e quando resolveram se unir em matrimônio, não duraram muito juntos. Hoje em dia, homens e mulheres costumam passar muito mais tempo lado a lado, do que na época de nossos pais. Dormem, acordam, e compartilham uma vida de quase casados.

Dividir o banheiro, a cama, as contas, entre outras coisas, porém é algo que vai um pouco mais além. Você descobre muito mais sobre a personalidade da pessoa convivendo com ela diariamente. Alguns hábitos que passam despercebidos quando vivem em casas separadas vem à tona quando moram juntos.

Por isso, acho válido um tempo de prova, antes do fatídico sim. Você e o amado pode dividir um apartamento por um ano, por exemplo, e ver como tudo caminha. Se as coisas correrem bem, partam para o próximo passo. Se não correrem, o que infelizmente pode acontecer, a separação será mais fácil e menos dolorosa.

Vale lembrar que hoje em dia,  para pessoas que vivem sob o mesmo teto com o objetivo de constituir família por pelo menos um ano, o juiz já pode considerar como união estável. Ou seja, se houver separação, vai valer o regime de comunhão parcial de bens, aquele em que tudo o que foi acumulado durante a união (bens e dívidas) deverá ser partilhado igualmente pelo casal.

O veterinário Fernando, de 38 anos, conta que já morou junto sem casar duas vezes. A primeiro, por 3 anos, e depois por 4, com a segunda namorada, mas não chegou a assinar os papéis. Já a publicitária Stephanie, dividiu a casa com o namorado por 2 anos, e hoje em dia está casada. Enfim, você não vai saber o que acontecerá se não tentar, não?