ANWAR HUSSEIN / GETTY IMAGES
ANWAR HUSSEIN / GETTY IMAGES

É difícil apontar na História uma celebração de casamento tão icônica e badalada como a de Lady Di e o Príncipe Charles. Passados 40 anos da união que abalou as estruturas da família real britânica, completados neste 29 de julho, nenhum outro matrimônio conseguiu destroná-lo do posto de o mais reverenciado. Ele permanece no imaginário popular como sinônimo de luxo, em parte por envolver a realeza, em parte por nos apresentar a eterna Princesa Diana, a plebeia que encantou súditos com sua beleza, carisma, caridade e honestidade. Vale também lembrar que ela teria completado 60 anos no início do mês. Mas a verdade é que também as escolhas para o enlace, dos trajes às alianças, tudo contribuiu para o sentimento de “live action” de contos de fada que todo casal almeja sentir.

A curiosidade que levou mais de 750 milhões de pessoas a assistirem pela TV à cerimônia, celebrada na St Paul’s Cathedral, em Londres, à época, parece permanecer a mesma passadas quatro décadas. Motivo pelo qual os ingressos para a mostra de roupas da realeza “Royal Style in the Making”, aberta para o público na capital inglesa este ano, se esgotou em pouquíssimo tempo. Na exposição, estava aquele que talvez mereça o título de vestido de noiva mais famoso do planeta, o verdadeiro “Top of Mind” quando se pensa num modelo nupcial. No próprio dia do casamento, “apenas” os 3.500 convidados puderam vê-lo presencialmente, entre eles, os membros da família real, celebridades e líderes mundiais. 

 
 
 
 
 
Ver esta publicación en Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Una publicación compartida de Princess Diana (@dianaforeverremembered)

O vestido de noiva de Diana

Já que estamos falando dele, vamos sem mais delongas falar desta peça de design exagerado que tão bem resume a moda dos anos 1980. Seus laçarotes, babados, mangas bufantes e volume descomunal representam um estilo muito diferente das vestimentas atuais pensadas para se ir ao altar. Ainda assim, o estilo da Princesa segue celebrado nos dias atuais. O sucesso da série “The Crown”, na Netflix, pode ser uma explicação para isso. É como se tivéssemos voltado no tempo, para quando, devido à grande curiosidade da imprensa, os designers tiveram que guardar os desenhos, os tecidos e o próprio traje num cofre. Por isso, ele é muitas vezes é chamado de "o segredo mais bem guardado da história da moda".

IG @dianaforeverremembered
IG @dianaforeverremembered

Vamos, então, a alguns fatos sobre o vestido de noiva de Lady Di. Para começar, ele não é branco. Desenhado pelo casal de estilistas ingleses David e Elizabeth Emanuel, foi confeccionado em tom de marfim, realçado pelas 10 mil lantejoulas de madrepérola costuradas a ele. A cauda é monstruosa e tem 8 metros de comprimento, enquanto o véu contabiliza incríveis 153 metros. As dimensões gigantescas acabaram sendo ainda mais exacerbadas pelo contraste de tanto tecido contra as medidas do corpo da noiva, que emagreceu muito entre a primeira prova e o dia do casamento. Ao invés dos 69 centímetros de cintura, Diana foi ao altar medindo 58 centímetros de circunferência. O emagrecimento intenso até a data do casório fez com que o casal de estilistas tivesse que costurar novamente a roupa, desta vez com a Princesa dentro, no próprio dia da cerimônia. De tão extravagante que era o vestido, ficou difícil de transportar Lady Di até a Catedral. O resultado disso é que a peça precisou ser dobrada diversas vezes para que a noiva conseguisse chegar até o local!

IG @dianaforeverremembered
IG @dianaforeverremembered

Para dar a marca pessoal, David e Elizabeth confeccionaram a etiqueta do vestido em diamantes brancos e um objeto pequeno de ouro de 18 quilates. No total, a criação custou 90 mil libras, algo que hoje corresponderia a quase R$ 700 mil. Outra curiosidade é que, ainda que caro, a roupa foi ao altar manchada. É isso mesmo que você leu. No livro “Diana: The Portrait”, sua maquiadora, Barbara Daly, revelou que ela havia derramado sem querer perfume no vestido e precisou secá-lo diversas vezes, além de disfarçar a nódoa com as mãos. E se você quiser se inspirar (fora o acidente do perfume!), o portal tem belos modelos de grandes marcas.

Galia Lahav
Galia LahavThe AtelierPronovias

Os sapatos da realeza

Mesmo tipo de detalhismo foi dispensado aos calçados da Princesa, também feitos sob medida. Segundo o Daily Mail, os sapatos levaram 6 meses para serem produzidos. Desenhados pelo famoso sapateiro Clive Shilton, foram feitos com cetim, renda e o emprego de 132 pérolas e 542 lantejoulas. Diana ainda mandou pintar as letras C e D nas solas e bordar um pequeno coração ao meio. Da mesma cor que o vestido, tinham um salto desconfortavelmente baixo para que ela não parecesse mais alta que Charles embora ambos medissem 1,70m.

Curiosidades do look real

  • O acessório não usado!

Um guarda-chuva combinando foi criado caso o casamento acontecesse num dia chuvoso. A estilista Elizabeth Emanuel revelou na imprensa que a peça era enfeitada com o mesmo tecido que o vestido, além das pérolas e lantejoulas onipresentes. Felizmente, São Pedro ficou com pena das pessoas envolvidas que teriam que proteger a roupa de dimensões exageradas caso o tempo virasse. Assim, o público não precisou conhecer o acessório, que possivelmente faria sua função muito mal pelos materiais utilizados.

  • Uma tradição preservada acima (ou melhor, abaixo) de tudo

A tradição europeia para trazer sorte ao casamento de usar “algo antigo, algo novo, algo emprestado e algo azul” foi seguida à risca por Diana. No grande dia, ela usou um pedaço de renda que pertenceu à rainha Mary, seu vestido novo em folha (apesar da mancha), a tiara de sua família, emprestada, e um laço azul no interior da vestimenta. Na tentativa de um combo de sorte, também incluiu dentro da roupa dela uma ferradura de ouro 18k como um amuleto para o casal.

O penteado característico 

Aqui não houve muita invenção. Conhecida pelos cabelos curtos, Diana se casou com seus fios loiros apresentando franja e escovados para trás, deixando à mostra os brincos que pertenciam à sua mãe. Tal corte começou a ser observado por profissionais de todos os ramos e, por isso, foi um dos mais procurados na época nos salões de cabeleireiros. Sobre a cabeça, trouxe consigo a já citada tiara.

IG @dianaforeverremembered
IG @dianaforeverremembered

A tiara da linhagem

A joia é fruto de uma mistura de outras da família Spencer. Foi usada por ambas as irmãs de Diana em seus respectivos casamentos e escolhida no grande dia porque ela não foi empossada de uma da Rainha. Segundo relatos, Elizabeth II mandou fazer uma nova tiara para presenteá-la, o que não foi bem interpretado. Afinal, a monarca oferecia peças de sua coleção para que as futuras cônjuges usassem ao desposar. Lady Di ainda vestiu a joia de sua família várias vezes após isso. Além da história atrelada, era mais leve do que muitas das peças da mãe de Charles.

Que fique claro: Diana era oficialmente considerada uma plebeia por não reter títulos, mas a família Spencer é uma das mais antigas da aristocracia inglesa e tem uma coleção de diversas tiaras à sua disposição. A que foi usada no casamento foi construída pela joalheria da Coroa, Garrard, em 1930, e montada a partir de diversas heranças que remontam a 1870. O ornamento final tinha flores estilizadas, folhagem e um elemento central em forma de coração; todos cravejados de brilhantes sobre uma base em prata e ouro.

Maria Elena Headpieces
Maria Elena Headpieces

O buquê de flores

O grande buquê em cascata da Lady Diana foi elaborado pela extinta Longmans Florist, composto por flores brancas e tons dourados incluindo orquídeas, lírios do vale e rosas Earl Mountbatten. Ele também continha o tradicional ramo de murta, símbolo do amor, retirado de arbustos cultivados a partir de mudas do buquê da Rainha Vitória. O arranjo foi um presente da Worshipful Company of Gardeners, uma associação de jardineiros e floristas fundada no século XIV. 

IG @princesdianaa
IG @princesdianaa

Para a cerimônia, foram montados dois buquês, com o primeiro entregue às 8 horas no Palácio de Buckingham, com direito a escolta policial no trajeto. Logo depois, o outro foi fabricado. A razão para isso é que nas fotos do casamento da Rainha Elizabeth II, em 1947, ela aparece sem seu buquê, que havia sido perdido – e para evitar uma vergonha, a monarca ordenou a confecção de uma réplica. O que você acha de um belo buquê cascata de flores brancas para o seu dia?

Os protocolos alterados

Durante a cerimônia do casamento, tanto Charles quanto Diana quebraram alguns protocolos estabelecidos devido ao nervosismo. Enquanto a noiva se enganou na ordem dos nomes do futuro marido (para que tanto nome, gente?), o Príncipe Charles em seus votos falou que ele lhe ofereceria os “teus bens” em vez dos “meus bens mundanos”. Os votos de Diana, propositalmente, não continham a tradicional promessa de obedecer ao marido, a pedido da própria. A nova tradição acabou sendo repetida pela Princesa Kate Middleton e por Meghan Markle, suas noras.

O traje real de Charles

O Príncipe de Gales vestiu sua farda de gala de comandante naval: um fraque cruzado azul-marinho com gola branca e dourada, platinas douradas nos ombros e calça azul com detalhes dourados. As condecorações que ele exibiu no dia incluíam as estrelas das Ordens da Jarreteira e do Cardo-selvagem e a medalha do Jubileu de Prata da Rainha. O visual cerimonial incluía uma espada com pendão dourado. Embora o herdeiro do trono estivesse impecável, Charles ficou completamente ofuscado por Diana. 

IG @dianaforeverremembered
IG @dianaforeverremembered

O transporte do casal

A rainha e a família real foram levadas para a St. Paul’s Cathedral em oito carruagens puxadas por cavalos. Diana foi conduzida à cerimônia junto com o pai na Glass Coach - uma das principais carruagens da monarquia britânica, que transportou a rainha após seu casamento em 1947. O Príncipe de Gales chegou na 1902 State Landau, carruagem que foi usada com a capota aberta após a cerimônia para levar o casal de volta ao Palácio de Buckingham.

PRINCESS DIANA ARCHIVE / GETTY IMAGES
PRINCESS DIANA ARCHIVE / GETTY IMAGES

O bolo de casamento

Aqui vai uma verdade curiosa: o casal real teve 27 bolos de casamento. No entanto, o doce principal - que contou com uma versão idêntica para o caso de acabar danificado - tinha um metro e meio de altura, com as letras C e D gravadas. Também tinha os brasões de ambas as famílias, e foi criado por David Avery, confeiteiro chefe da Marinha Real. Para reparti-lo, o Príncipe usou uma espada cerimonial. Vale mencionar que cada camada foi decorada com motivos relacionados ao casal e, que de acordo com a tradição, a camada superior foi reservada para o batismo do primeiro filho. Inúmeras fatias do bolo de casamento foram leiloadas, a mais recente em Bristol, em 2016, onde arrecadou cerca de 1.500 libras. Sim, é isso mesmo que você leu: fatias de um bolo de casamento de 40 anos de idade continuam fazendo sucesso.

PRINCESS DIANA ARCHIVE / GETTY IMAGES
PRINCESS DIANA ARCHIVE / GETTY IMAGES

Convidados de honra

Para a ocasião, Lady Di escolheu cinco damas de honra. Lady Sarah Armstrong-Jones, a mais velha do time, à época tinha 17 anos, é filha da Princesa Margaret e do conde de Snowdon. Clementine Hambro, de 5 anos, foi chamada por ser a aluna favorita de Diana no jardim de infância de Young England, onde ela trabalhava antes de se casar - Clementine coincidentemente é bisneta de Winston Churchill. Já India Hicks, de 13 anos de idade, é afilhada de Charles. Continuando a lista, Sarah-Jane Gaselee, foi convocada por ser filha do treinador de cavalos de corrida Nick Gaselee, responsável por ter ensinado o Príncipe a montar. Catherine Cameron, de 6 anos, é filha da amiga de Charles, Lady Cecil Cameron. Aos 11 anos de idade, o Lord Nicholas Windsor era o mais velho dos dois pajens. Ele é filho do Príncipe Edward de Kent e Katherine, a duquesa de Kent. O mais novo, de 8 anos, era Edward van Cutsem, afilhado de Charles. 

IG @dianaforeverremembered
IG @dianaforeverremembered

A entrada de Diana

Enquanto a orquestra tocava ‘Trumpet Voluntary’ por Jeremiah Clarke, Diana foi acompanhada por seu pai, John Spencer, na caminhada de três minutos e meio pelo corredor da St Paul’s Cathedral para desposar Charles. Uma entrada e tanto, que atraiu olhares de todo o mundo também pela demora. 

O anel de casamento

Aqui vale a pena um rápido flashback. Diana e Charles ficaram noivos em fevereiro de 1981 e o anel de noivado era composto por 14 diamantes rodeando uma safira azul oval de 12 quilates sobre uma base de ouro branco 18K (outra criação da joalheria Garrard). O desenho foi inspirado no broche de safira e diamantes da Rainha Victoria, um presente de casamento do Príncipe Albert em 1840. A escolha deste anel por Diana foi considerada inusitada. Não era uma peça única ou feita sob medida, mas ela gostava tanto que continuou usando o anel mesmo após o divórcio.

Com a morte dela, os Príncipes William e Harry escolheram recordações dentre os pertences da mãe. Harry escolheu o anel e William preferiu o relógio Cartier de 19 mil libras em ouro amarelo. Depois, vieram a trocar os objetos porque Harry queria que este anel um dia viesse a ser usado sobre o trono inglês. Quando William pediu Catherine Middleton em casamento, deu a ela o anel e contou depois que a decisão foi uma forma de incluir a mãe na euforia daquele dia especial. Kate precisou encomendar um ajuste de tamanho na aliança, porque havia perdido peso até o dia da celebração.

IG @dianaforeverremembered
IG @dianaforeverremembered

Decoração de casamento

Transferida para a St Paul’s Cathedral ao invés da tradicional Abadia de Westminster por conta da maior capacidade para convidados, a cerimônia de Charles e Diana parece praticamente sem decoração de casamento quando comparada aos enlaces dos filhos do casal. Embora o local estivesse adornado por flores, parece ser algo muito comedido para um casamento real. As uniões dos herdeiros com Kate Middleton e Meghan Markle foram muito mais empolgantes nesse aspecto.

Então é isso. Passados 40 anos do casamento de Diana e Charles, ele continua influenciando o mundo de tal forma que essa inspiração ainda pode se perpetuar por muito tempo mais. É como se ele tivesse virado uma espécie de lenda, em que o que menos importa é a longevidade da união em si. É a promessa de esperança e de sonho que continua movendo essa lembrança. Que a história do casamento de Lady Di e o Príncipe de Gales possa inspirá-los (a celebração, não o destino do casal!) e sirva então a esse propósito enquanto a memória permitir.