Mocellin Churrascaria
Mocellin Churrascaria

Este ano os casais tiveram que lidar com algo que não estava no planejamento do seu enlace: a pandemia da COVID-19, que afetou todo o setor de eventos. Empresas e noivos à beira do altar sofreram os impactos dos meses de quarentena e limitações para evitar a proliferação do vírus, mas, pouco a pouco, todo o mercado nupcial tem se adaptado à nova normalidade. Os números da pandemia dão pequenos sinais de melhora, seguidos por decretos emitidos por prefeitos de todo o país, e junto com a reabertura gradual do comércio, os eventos também começam a retornar.

Segundo um estudo com mais de 10.000 casais realizado pelo site Casamentos.com.br, juntamente com as demais webs de 15 países do grupo The Knot Wordwide, menos noivos estão optando por adiar a data do casamento e mais cerimônias estão sendo celebradas com adaptações e medidas anti-Covid, que garantem a segurança de todos os presentes.

Cifras otimistas: mais noivos mantêm sua data

O estudo revela que, no Brasil, dos noivos com a data do casamento marcada para os próximos cinco meses, 31%  afirmaram em setembro que irão manter a data da sua festa. Um número esperançador em comparação aos 7% que responderam à mesma pergunta em abril e aos 18% de maio.

Como consequência desses dados está outro indicativo que confirma que o setor mostra sinais de recuperação: a diminuição no número de casais que estão remarcando. No Brasil, eles chegaram a ser 89% em abril, mas em setembro o número caiu para 59%.

Mundança global

Na Europa, onde a pandemia chegou antes, esses dados são ainda mais positivos: 74% disseram que não pretendem adiar o enlace na França, 61% na Itália e 58% em Portugal. Nos EUA, dos portais “The Knot” e “WeddingWire”, 58% dos noivos afirmam que não vão realizar mudanças na data.  

Na França apenas 22% afirmaram em setembro que irão remarcar o casamento, enquanto o número era de 92% em abril. Na Itália, também se nota uma queda acentuada dos noivos que estão remarcando: eles eram 93%% em abril e em setembro são 35%. Nos EUA, a tendência é similar: eram 52% em abril e em setembro apenas 35%.

Beatriz Bitencourt Fotografa
Beatriz Bitencourt Fotografa

Celebrações íntimas, máscaras e gel: a adaptação do mercado    

Cada país foi afetado de uma maneira pela COVID-19, e as normativas e orientações dos governos foram adaptadas às necessidades de cada lugar, que variaram ao decorrer dos últimos meses. Nos locais onde as medidas de isolamento total já estão chegando ao fim, podemos identificar um aumento na celebração de casamentos adaptados à nova normalidade. Para conseguir dar segurança aos noivos e convidados, as empresas do setor nupcial têm se adaptado bastante, cumprindo as demandas de segurança dos noivos. 

De acordo com a mesma pesquisa de Casamentos.com.br e dos demais 15 portais do grupo The Knot Worldwide, 55% dos usuários brasileiros afirmaram em setembro que tiveram que diminuir a lista de convidados em 25% ou mais. Em outros países, o dado é ainda maior, como no Canadá (76%), no Perú (69%), nos EUA (64%) e na Colômbia (64%).  E as medidas não ficam apenas nisso: máscaras, álcool em gel e outros cuidados são fundamentais neste panorama.

Abaixo vocês podem conferir todos os dados desse informe global, para entender quais são as medidas para os casamentos durante a COVID-19 e os impactos da pandemia no setor:

E se vocês desejam receber mais detalhes da pesquisa realizada por Casamentos.com.br e os portais de The Knot Wordwide, entrem em contato com o site através deste link.