O Dia da Criança se aproxima, mas outra data merece muita atenção: o dia 11 de outubro é o Dia Internacional da Menina, que dá visibilidade à luta contra o casamento infantil. Organizações Não Governamentais do mundo inteiro se mobilizam por essa causa, que infelizmente ainda é a realidade de cerca de 12 milhões de crianças e, como se essa cifra não fosse suficientemente inquietante, é possível que a pandemia do coronavírus tenha feito o número crescer nas partes mais desfavorecidas do mundo. É nesse contexto que The Knot Worldwide, grupo de Casamentos.com.br, se une à VOW, uma ONG americana que busca erradicar o casamento infantil antes de 2030. 

Uma realidade não tão distante

Embora os continentes onde o casamento infantil tem maior incidência sejam África e Ásia, em países como a Índia, ele ocorre em diversas partes do globo. Alguns estados dos EUA entram na lista, assim como América Latina, onde os números também são altos. E ainda que pareça uma realidade distante das grandes cidades com maior poder aquisitivo no Brasil, tal prática também segue ocorrendo no País. 

Por um “sim” consentido

Em Casamentos.com.br, todos os anos milhares de casais organizam seu casamento, e essa celebração só tem sentido porque a motivação é o amor, o desejo de constituir uma família e de dar um passo adiante em sua relação, sempre contanto com a vontade de ambos em sua maioridade civil. No casamento infantil não há consentimento, as meninas são expostas à violência, abuso e relacionamentos forçados, que podem levar a uma gravidez precoce e arriscada.

Elas têm o seu futuro comprometido, podem desenvolver problemas físicos, psicológicos e emocionais. Trata-se de uma violação dos Direitos Humanos, sujeita a graves punições e, segundo dados da Unicef e da VOW,  a cada três segundos uma menina é forçada a casar contra a sua vontade (aproximadamente 12 milhões todos os anos).

Visibilidade à causa

Diante dessa situação, The Knot Worldwide, Casamentos.com.br e os demais sites do grupo, como principais atores no setor de casamentos sentem que deveriam se juntar às ONGs para dar visibilidade ao problema e ajudar a abolir tal violação dos direitos humanos. Para conhecer melhor o trabalho desenvolvido pela ONG e seu impacto, convidamos a acessar o portal da VOW, onde também é possível fazer uma doação ao projeto.

"Em Casamentos.com.br, só podemos compreender casamentos por amor e com o consentimento de ambos os membros do casal. O direito de decidir é algo que todos os seres humanos devem ter.  Se eles são menores de idade, a sociedade deve garantir sua proteção. E quando chegar a idade e a hora, se ela quiser se casar, poderá fazê-lo por amor e com quem ela decidir", comenta Nina Pérez, CEO de Casamentos.com.br.