Acho que muita gente confunde o tal DIY (Do it Yourself em inglês, Faça Você Mesmo em português) com algo porcaria e improvisado. Talvez por isso muitas noivinhas torçam o nariz com o método. A Ana Luíza, bem como todas que já mostramos aqui, prova que dá para fazer algo bonito e que pareça feito por profissionais, mas tirado de sua imaginação e feito em casa.

 

 

Ela fez bem a lição de casa: estudou o papel ideal para a impressora que tinha em casa, qual dobradura seria fácil e eficaz e quais fitas e laços casariam com a ideia. O resultado você aqui abaixo. A Ana Luíza já pode casar! Sua listinha de compras e o passo a passo são:

  • Papel 180 gramas na cor bege em folhas de tamanho A4 (você pode escolher a cor que quiser)
  • Impressora (a dela é uma office jet a jato)
  • Computador para escrever e desenhar a ideia dos convites
  • Duas fitas compradas em armarinhos: uma estampada em algodão com poliéster e outra transparente em tafetá com acabamento em dourado de 7 mm.

 

 

Ela mesma bolou a arte e o conceito dos convites. Antes, viu que iria dobrá-los ao meio e, por isso, sabia exatamente onde a impressão deveria ser para que o acabamento ficasse perfeito. Fez algumas testes antes para se certificar que o desenho casava com a impressão final

 

 

Depois de secos, os convites eram dobrados pelo noivo com uma régua, para que o vinco ficasse caprichado

 

 

Enquanto isso, ela ia colando as fitinhas no tamanho do convite a partir de um molde. Melhor esperar que a cola esteja seca antes de encaixá-los no convite finalizado

Para agilizar o processo, ela fazia tudo em série: impressão de tudo, depois dobradura e, por fim, encaixe das fitas

E a melhor parte ainda está por vir: o gasto final é de pouco mais de 1 real por peça! Quem mais vai fazer algo similar?

 

 

 

 

 

*O debate completo de Ana Luíza, aqui: http://www.casamentos.com.br/com-Debate.php?id_tema=53587